sábado, janeiro 31, 2004

Inundações ocupam bombeiros



A chuva forte que esta manhã se fez sentir na Figueira da Foz, provocou diversas inundações um pouco por todo o concelho figueirense.

Os bombeiros e a Protecção Civil foram chamados a actuar na baixa da cidade, no parque das Abadias e nas freguesias de Buarcos, Vila Verde e Borda do Campo, devido a inundações mas também à queda de árvores e ao aluimento de terras.

O caso “mais preocupante” aconteceu em Lares, Vila Verde, cerca das 11.30, quando um deslizamento de terras “atirou” uma grande quantidade de lama para o telhado de uma garagem e anexos, sem que no entanto se tenha registado danos pessoais. “A situação deu-se devido à diferença de cotas entre as terras e a garagem” explicou, ao JN, Lídio Lopes da Protecção Civil local.

Os serviços de Acção Social da autarquia foram chamados ao local, já que por momentos, foi ponderada a necessidade de realojar uma família de quatro pessoas, o que não se veio a verificar. “Por uma questão de segurança a Câmara, entendeu que deveria realojar a família, mas depois o mesmo não aceitaram já que os anexos serviam apenas como cozinha e não com quartos ou outros” disse Lídio Lopes.

Ainda ao meio da manhã outro aluimento de terras, em Vila Verde, obrigou ao corte do trânsito nos acessos a A14. “O aluimento de terras deu-se com queda de árvore pelo que houve necessidade de cortar o trânsito” revelou, ao JN, António Santos, chefe de serviço dos Bombeiros Municipais da Figueira.

Na baixa da cidade, cada vez que vem as primeiras chuvas ou com mais intensas o cenário repete-se com as habituais inundações, desta vez sem prejuízos materiais e pessoais a lamentar.
Ainda na baixa figueirense, o bairro da Bela Vista, também não escapou às inundações. “Houve uma sobrecarga do sistema de saneamento” explicou António Santos.

Em Buarcos, algumas garagens da Rua Rancho das Cantarinhas foram também “invadidas” pela água. Na freguesia da Borda do Campo, a sul do concelho da Figueira da Foz, “foi preciso abrir valas suplementares” para fazer face à quantidade de água que obstruiu uma vala de escoamento.
“Foi uma manhã de muito trabalho e precaução” desabafou António Santos.

Greve Nacional da PSP contra “desrespeito” do Governo, Polícias ameaçam com Manifestação Nacional no Europeu de futebol


Polícias ameaçam greve no Euro´2004

Quinze anos depois da manifestação nacional do Terreiro do Paço, polícias de todo o país vão voltar a Lisboa para contestar o “não cumprimento e o desrespeito do Governo” pela Lei Sindical da Polícia.

A Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) agendou, ontem, na Figueira da Foz uma manifestação, em Lisboa, para 21 de Abril, data que marca a passagem dos 15 anos sobre a manifestação nacional do Terreiro do Paço, em que polícias acabaram por se confrontar com polícias.

“Há erros políticos que se pagam caro, mas estou convencido que esses acontecimentos não se venham a repetir” disse, em conferência de imprensa, Alberto Torres, presidente nacional da ASPP/PSP.

A tomada de posição surge após uma reunião da estrutura sindical com delegados sindicais da Região Centro, onde os polícias deixaram uma série de “preocupações” como a “insuficiências” de meios materiais e humanos.

“O parque automóvel está envelhecido e não oferece condições de segurança, o material de comunicações é frágil e as nossas esquadras estão degradadas” alertou Alberto Torres.

Os agentes reclamam ainda a melhoria nos aspectos sócio-profissionais relacionados com a progressão na carreira e contestam o “elevado” número de horas de serviço. “Há uma falta de respeito pelo estatuto policial e neste momento há agentes a fazer 200 horas mensais de trabalho (mais 50 do que o horário normal)” revelou Torres.

Falta formação e meios

Caso o Governo “não dê resposta aos problemas” que afectam a força policial, o Sindicato admite a possibilidade de durante o Euro 2004 avançar para uma manifestação nacional e realizar concentrações junto aos governos civis dos respectivos comandos. “Se continuar esta violação dos nossos direitos é o que faremos” avisou Alberto Torres.

A “falta de formação e de meios” dos agentes para o Euro´2004 é também uma das preocupações do presidente da ASPP/PSP. “Como é que podemos formar polícias em menos de um ano? Só neste país” ironizou Torres.

Contudo, o sindicalista prometeu que a PSP “fará o seu melhor para manter e melhorar a segurança dos cidadãos portugueses e estrangeiros durante o Euro 2004”. “Sem meios as coisas podem não correr bem” avisou Alberto Torres.

O presidente nacional da ASPP/PSP aproveitou a conferência de imprensa, de ontem, para lançar ainda um repto ao Presidente da República, Jorge Sampaio, para realizar uma “Presidência Aberta” sobre segurança e, com o Bastonário da Ordem dos Advogados, José Júdice, e o Provedor de Justiça, Souto Moura, possa visitar instalações da PSP.

“Seria uma boa ideia para ver as péssimas condições em que trabalhamos e a desmotivação dos agentes” frisou Alberto Torres.

GAP

A nova lei orgânica da força policial não contempla a continuidade do Gabinete de Apoio Psicológico (GAP) a agentes da Polícia de Segurança Pública (PSP).

A ASPP/PSP já contestou a opção da Direcção Nacional. “Há necessidade de haver apoio psicológico aos agentes policias” defende Alberto Torres.

O “grande número” de agentes deslocados das suas famílias, problemas de alcoolismo, o stress dos grandes centro urbanos, elevadas cargas de trabalho e problemas diversos são motivos suficientes para que o sindicato defenda que os GAP se mantenham em funcionamento. “Não deveriam fechar, antes pelo contrário” sustentou Alberto Torres.

sexta-feira, janeiro 30, 2004

Obras do Paço de Tavarede paradas, Duarte Silva garante que autarquia "não tem responsabilidades" na paragem dos trabalhos


Paço de Tavarede
foto in figueira.net

As obras no Paço de Tavarede estão paradas há cerca de um ano.
Os trabalhos de recuperação do monumento, orçados em um milhão de euros, foram entregues à firma Edicon, Lda em Setembro de 2001, com um prazo de execução de 540 dias.

Contudo, a empresa a quem foi adjudicada a empreitada terá falido, pelo que a Câmara municipal terá que lançar um novo concurso público. “O empreiteiro a quem foi adjudicada a obra faliu e terá que ser feito uma nova adjudicação. A autarquia não tem qualquer responsabilidade, na medida em que foi um acidente (do empreiteiro)” afirmou, à Maiorca FM, Duarte Silva, presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz.

A paragem das obras é motivo de preocupação para Paz Cardoso (PS), presidente da junta de freguesia de Tavarede. “Foi a única alegria que o anterior executivo (de Santana Lopes) deu aos tavaredenses e é com preocupação que vemos a paragem dos trabalhos. Queremos saber quanto estará o Paço recuperado” referiu Paz Cardoso.

Duarte Silva garantiu, à Maiorca FM, que a obra estará concluída “antes do final do mandato”.

O projecto de recuperação do Paço prevê a instalação de um espaço museológico, sendo que o primeiro andar passará a ser as novas instalações do Departamento de Acção social e Escolar (DASE) da autarquia figueirense. “É uma forma de dar vida ao espaço e do Paço ter alguma coisa da freguesia e do concelho para mostrar a quem a visita” sustentou Duarte Silva.

A ideia não agrada ao autarca de Tavarede que face à insistência do autarca em transferir aqueles dois serviços se revela “decepcionado”. “Era nossa intenção disponibilizar o actual espaço da junta para um espaço infantil (ATL ou infantário) e que a sede da junta ao mudar-se para o Paço ficaria melhor servida de instalações e acessibilidades” defendeu Paz Cardoso.

Entretanto, as obras de recuperação do espaço continuam paradas. De acordo com o projecto, a fachada do Paço de Tavarede vai ser restaurada, interiormente será salvaguardado tudo o que for possível e serão reconstruídos alguns elementos já desaparecidos.

Ao que a Maiorca FM apurou os trabalhos estão praticamente acabados, mas, agora, terá que ser feito um levantamento do que falta fazer para se proceder à abertura de um novo concurso público.

"PSD e PS tem interesses na área dos resíduos", acusa presidente da Comissão Anti-Aterro do Baixo Mondego


José Ligeiro
foto in figueiradigital.com

O presidente da Comissão Anti-Aterro do Baixo Mondego acusa os “dois maiores partidos portugueses” de terem “grandes interesses dentro da área dos resíduos”.

José Ligeiro alega que esse é um dos motivos para que a instalação do Aterro de Maiorca, na Figueira da Foz ainda não tenha sido definitivamente travada. “Há pessoas dentro dos dois maiores partidos portugueses (PSD e PS) com grande interesses dentro da área dos lixos” disse, à Maiorca FM, José Ligeiro.

O autarca da freguesia de Maiorca afirma que o Ministério do Ambiente é o “grande responsável” por toda a situação que se vive em torno da instalação do Aterro de Resíduos Industriais Banais em Maiorca. “Por ter emitido a licença ambiental e a partir daí por não querer dar o braço a torcer, tomando uma posição de cambalacho. O actual Secretário de Estado do Ambiente segue essa mesma posição tomada anteriormente pelo Ministro do Ambiente da altura (José Sócrates)” sustentou Ligeiro.

O presidente da junta de Maiorca e também líder da Comissão Anti-Aterro defende que de uma vez por todas é preciso acabar com o “pesadelo” da instalação do Aterro. “Está provado que da parte da empresa construtora do aterro (Tractofoz) o que conta é o lucro e está na altura do ministério do Ambiente de uma vez por todas pôr fim a este pesadelo” defendeu o autarca.

A população do Baixo Mondego poderá regressar às ruas e intensificar a já longa luta contra a instalação de um aterro de resíduos industriais banais previsto para Maiorca.

Entretanto, o embargo das obras do aterro aplicado pela Câmara Municipal mantém-se. O presidente, Duarte Silva garantiu que enquanto não existir um estudo de impacte ambiental a decisão da autarquia “é inalterável”.

Quanto a possibilidade da contestação popular regressar às ruas da Figueira da Foz, o edil figueirense não quis comentar.

quinta-feira, janeiro 29, 2004

Estrelas da TV “reinam” Carnaval de Buarcos


Reis do Carnaval figueirense

Sofia Alves e António Cerdeira são os reis do Carnaval de Buarcos/Figueira da Foz 2004. Os dois actores que participam na telenovela da TVI “O teu olhar”, gravada na Figueira e em Coimbra, foram as “personagens” escolhidas para animar e divertir os milhares de foliões que são esperados na cidade da praia da Claridade, nos próximos dias 22 e 24 de Fevereiro.

A aposta nestes dois nomes nacionais é “natural”. “Foi uma escolha natural porque até Março (altura em que termina a exibição de “O teu olhar”) eles também são figueirenses” justificou Nuno Encarnação, administrador da Figueira Grande Turismo (FGT), entidade que organiza as festividades.

O responsável da empresa municipal sustentou que a organização “pretende ir ao tradicional do carnaval figueirense”. “Nunca fui muito apologista de trazem artistas brasileiros para cá e gosto que a Figueira se diferencie por aquilo que é nacional” referiu Encarnação.

De facto, nos últimos três carnavais da Figueira a escolha tem recaído no “produto nacional”. “Queremos pessoas com qualidade que tragam alegria ao desfile e que também projectem o nome da Figueira da Foz” sustentou, na apresentação do evento, o administrador da FGT.

O corso carnavalesco deste ano, orçado em 225 mil euros, é composto por doze carros alegóricos, nove grupos e conta com a participação das duas escolas de samba do concelho – “GRES, a Rainha” e “Unidos do Mato Grosso” que, pela primeira vez, desfilarão, cada uma, com um carro alegórico. No total serão cerca de 600 elementos que vão “gozar” o Carnaval na Avenida do Brasil.

A organização do Carnaval figueirense implementou alterações no trajecto do corso carnavalesco reduzindo o percurso de 1800 para 1100 metros. “Este ano o corso será feito num único sentido com partida na rotunda da Ponte do Galante e chegada à Rotunda do Pescador, abandonando o trajecto duplo de anos anteriores” revelou Nuno Encarnação.

Ginásio pode alienar património para cobrir custos da nova piscina



O Conselho Geral do Ginásio Clube Figueirense reuniu, ontem ao final da tarde, para discutir a nova piscina coberta do clube.

Ainda no decorrer do primeiro semestre de 2004, o Ginásio apresentará a candidatura do projecto afim de conseguir apoios comunitários para a piscina que ficará situada ao lado no pavilhão Galamba Marques.

As obras de construção do equipamento deverão ascender aos 2,5 milhões de euros, sendo que 75% desse valor poderá ser financiado pelos fundos comunitários.

Para fazer face aos outros 25%, o Ginásio admite alienar património. "(..)Decorrente da venda do terreno onde está hoje a nossa piscina vamos fazer face a essa verba. Vamos ter que alienar esse património para fazer face a esse investimento" disse, à MAiorca FM, José Tomé, presidente do Ginásio.

O dirigente frisou ainda que "o clube poderá ter necessidade de recorrer a mais de 25% do que aquilo que é necessário".

Mas para que a candidatura do Ginásio aos fundos comunitários seja viável falta ainda alguns documentos.
"Temos que apresentar o projecto, falta a escritura do terreno, preparar a venda onde está a piscina actuial e apresentar uma série de pareceres" revelou Tomé.

A nova piscina do ginásio terá todas as condições exigidas por lei e será, segundo José Tomé, uma piscina “moderna”. A sua construção deverá começar no primeiro semestre de 2005.

Olimpíadas da Leitura no Museu Municipal



A biblioteca do Museu Municipal Dr. Santos Rocha, da Figueira da Foz recebeu, ontem, as “VII Olimpíadas da Leitura” , no âmbito do Programa Nacional de Promoção da Leitura, uma acção que contou com a presença do escritor António Torrado.

Centena e meia de crianças do 2º ciclo do Ensino Básico das escolas do concelho da Figueira da Foz participaram na iniciativa que pretendeu “motivar os jovens para a leitura”.

Esta iniciativa foi o arranque para “várias actividades de incentivo à leitura que vão decorrer na biblioteca municipal ainda este trimestre”.

“Em breve vamos apresentar apresentar essas iniciativas para incentivar o gosto pela leitura nos jovens do concelho” disse, à Maiorca FM, Teresa Machado, vereadora da Educação na Câmara Municipal da Figueira da Foz.

A autarca sustenta que a juventude “ainda não lê o suficiente”. “Por isso temos (autarquia) que motiva-los a ler” sustentou Teresa Machado.

André Luís "ataca" na Naval


Logotipo in figueira.net

André Luís é o novo reforço da Naval 1º de Maio. O jogador brasileiro, de 23 anos, natural de Ponte Preta, assinou contrato com o clube figueirense até ao final da temporada.

André Luís já foi entretanto inscrito na Liga Portuguesa de Futebol e aguarda, a qualquer o momento, o envio do Certificado Internacional por parte da Confederação Brasileira de Futebol.

Com esta contratação o plantel verde e branco da Figueira da Foz pode ainda não estar fechado, já que as inscrições de novos jogadores terminam na próxima segunda-feira.

Contestação regressa ao Baixo Mondego


População promete voltar às ruas

A população do Baixo Mondego pode, em breve, regressar às ruas e intensificar a já longa luta contra a instalação de um aterro de resíduos industriais banais previsto para a freguesia de Maiorca.

"A ausência de medidas do governo" para evitar a instalação e as "manobras de intimidação e provocação" do consórcio Tractofoz (empresa que vai construir o aterro) estão a trazer "a inquietação e a revolta" às populações do Baixo Mondego.

"O povo vai voltar às ruas para mostrar a sua indignação contra o aterro e desta vez a mobilização será ainda maior", disse, ao JN, José Luís Ribeiro, da Comissão Anti-Aterro.

Os contestatários voltam a sustentar que a instalação do aterro "é ilegal" e acusa a Tractofoz de pretender implantar um aterro "em terrenos que não são da sua propriedade". "É um acto de fuga ao fisco e que merece investigação judicial adequada", defende Ribeiro.

Por outro lado, a comissão considera que a queixa que a Mota-Engil (empresa que detém o consórcio Tractofoz) ameaçara fazer contra o Estado, é "uma mera manobra de distracção uma vez que o projecto do aterro "não respeita o PDM local, não cumpre a legislação nacional e comunitária".

O JN tentou ouvir a Tractofoz, telefonicamente, mas não o conseguiu.

quarta-feira, janeiro 28, 2004

Ginásio discute nova piscina



O Conselho Geral do Ginásio Clube Figueirense reúne hoje, ao final da tarde, para, entre outros pontos, discutir a nova piscina coberta do clube, um projecto anunciado ainda no mandato de Santana Lopes, enquanto presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz.

O Ginásio prepara, agora, a candidatura de um projecto afim de conseguir apoios comunitários para a piscina que ficará situada ao lado no pavilhão Galamba Marques.

Na última reunião do executivo camarário foi aprovada a doação de uma parcela de terreno ao Clube Figueirense. O presidente da Câmara Municipal, Duarte Silva anunciou que o projecto inicial sofreu algumas alterações. "O projecto inicial sofreu alterações de forma a dar continuidade entre o pavilhão e a piscina" disse Duarte Silva.

O vereador do PS, Rui Carvalheiro defendeu que "não se deve emparedar mais" o Estádio Municipal Bento Pessoa. "A melhor forma de gerir aquele espaço não é cada vez mais emparedar o Estádio Municipal. Deve ser feito um planeamento para uma verdadeira zona desportiva" defendeu o socialista que sustentou que esse planeamento deveria ainda permitir "a requalificação urbanística daquele local".

Os vereadores do Partido Socialista (PS) quiseram saber o que vai acontecer com a carreira de tiro, actualmente, situada no local onde nascerá a piscina. Duarte Silva revelou que existem “duas alternativas imediatas” para a deslocalização da carreira. "As instalações do exercito em S. Julião ou nas matas a sul do concelho são para já as soluções imediatas" revelou Duarte Silva.

As obras de construção da nova piscina do Ginásio deverão começar no final de 2005, inicío de 2006, e poderão ascender aos 2, 5 milhões de euros.

PS apresenta lista à secção de Tavarede



O Partido Socialista da (PS) Figueira da Foz vai, ao inicio da noite, apresentar a lista candidata à secção de Tavarede. Os cerca de 40 militantes com poder de voto na freguesia vão ser chamados às urnas no próximo sábado.

António Alves é o nome proposto à presidência desta secção. O candidato disse, à Maiorca FM, que uma das sua preocupações foi reunir uma lista que integre as diferentes sensibilidades dentro do partido. "O primeiro passo foi constituir uma lista unitária que unisse todo o partido em Tavarede" disse, à Maiorca FM, António Alves.

O candidato promete indagar junto das entidades competentes sobre muitas preocupações da freguesia. Uma diz respeito à tão desejada Variante do Galo D´Ouro. "A obra já foi anunciada pelo PS quando foi Governo mas, também já o foi por este (Governo) e que iria para a frente rapidamente mas estamos a ver que a obra nunca mais arranca" diise Alves.

O socialista mostrou-se também preocupado com o Paço de Tavarede. "As obras no Paço estão paradas e não sabemos mesmo o que se passa com o Paço de Tavarede" sustentou António Alves.

Outra das preocupações socialistas respeitam ao alargamento da rua principal da freguesia. "Aquela rua está congestionada nos dois sentidos e o PS vai pugnar para que exista em Tavarede uma variante para que descongestionar o trânsito dentro da freguesia e que ligue directamente à rotunda do Cavadouro" explicou o socialista.

Casa do Pessoal pode brevemente mudar de instalações, futuro da Casa da Mãe ainda é uma incógnita


António Guardado
foto in figueira.net

A sede da Casa do Pessoal do Hospital Distrital da Figueira da Foz poderá deixar a Casa da Mãe, onde se encontra há 28 anos e passar para as instalações do próprio hospital, na Gala. A possibilidade foi avançada, ontem, à Maiorca FM, por António Guardado, presidente do Conselho de Administração do Hospital Distrital.

“É provável que se encontrem dentro do hospital alguns locais onde se consiga colocar a associação com alguma dignidade” disse Guardado consciente das “dificuldades” que a associação sentem no seu trabalho diário.

As actuais instalações estão degradadas e já não oferecem segurança aos utilizadores. “As instalações estão bastante degradadas e mesmo com riso da casa (espaço físico) pode vir abaixo” disse, à Maiorca FM, Celso Morais, presidente da Casa do Pessoal do Hospital, associação que, ontem, comemorou 28 anos de existência com um jantar no Casino da Figueira.

O estado de degradação da Casa da Mãe é bem visível. Contudo, a administração do hospital figueirense, proprietária do edifício, ainda não decidiu o futuro a dar ao imóvel.
Enquanto cidadão figueirense, António Guardado defende a constituição de “parcerias afim de criar, na antiga Casa da Mãe, uma unidade de cuidados continuados”.

“Aquele é um espaço de privilégio e o hospital pode lançar-se no desenvolvimento em áreas de saúde” referiu António Guardado.

“Eu veria com bons olhos parceiras na cidade parcerias na cidade que pudessem viabilizar aquele espaço como espaço da cidade e onde o hospital mantivesse a sua ligação enquanto parceiro” concluiu Guardado.

"Fora de questão" está mesmo a venda do imóvel, uma vez que "a administração do hospital não tem intenção de vender a Casa da Mãe".

Em 2002, a autarquia manifestou o interesse em adquirir o imóvel e segundo a Maiorca FM apurou a Câmara Municipal continua com a mesma pretensão, o que poderá inviabilizar qualquer parceria neste projecto do hospital.

Pista de atletismo poderá avançar ainda este mandato


Pista de atletismo em 2005

A Figueira da Foz vai receber o Campeonato Nacional de Corta-Mato-Longo, no próximo dia 29 de Fevereiro, organizado pela Federação Portuguesa de Atletismo.

A escolha da Figueira da Foz para a realização desta prova não estará alheia à parceria existente entre a Associação Distrital Atletismo de Coimbra, Federação Portuguesa de Atletismo e Câmara Municipal da Figueira da Foz para a construção de uma pista sintética na cidade da praia da claridade.

O presidente da autarquia, Duarte Silva, confirmou a existência de dois projectos a construir no Estádio Municipal Bento Pessoa e em Santo Amaro da Boiça. "São dois projectos que vamos retomar e que pretendemos concluir até ao final deste mandato camarário" afirmou Duarte Silva.

Em 1998, Santana Lopes, na altura presidente da autarquia figueirense lançou a ideia da construção do Parque Desportivo de Buarcos, uma obra que incluía um campo de futebol e uma pista de atletismo.
A obra nunca saiu do papel.

Fernando Mota, presidente da Federação Portuguesa de Atletismo (FPA), afirmou, à Maiorca FM, que esse projecto “não era financeiramente exequível”. "Não estamos em condições de desenhar cenários que, teoricamente seriam muitos interessantes, mas que a realidade dos factos nos leva a equacionar os pontos negativos" disse, à Maiorca FM, Fernando Mota.

Segundo o dirigente, o tempo de construção do novo equipamento e a reduzida verba que poderia chegar dos apoios comunitários foram pontos negativos numa obra que nunca chegou a ver a luz do dia.

Ao que a Maiorca FM apurou, com estes novos dois novos projectos a autarquia figueirense terá apenas que suportar 10% do custo total da obra, sendo o restante apoiado por fundos comunitários.

Vítor Oliveira, presidente da Associação Distrital de Atletismo de Coimbra (ADAC), não esconde que a realização da prova de corta-mato na Figueira vai servir para “reforçar e acelerar” a execução dos projectos existentes para a construção da pista sintética. "É meu anseio que a pista seja uma realidade nesta cidade. A realização desta prova serve, de facto, de peso para que essa infraestrutura seja uma realidade a breve prazo" admitiu Vítor Oliveira, recrodando que o concelho da Figueira da Foz tem 50% (256 de 512) dos atletas (atlestismo) do Distrito de Coimbra.

terça-feira, janeiro 27, 2004

Caso do Pessoal do Hospital quer sede com "mais dignidade"


Casa do Pessoal quer nova sede
foto in O Figueirense

A Casa do Pessoal do Hospital Distrital da Figueira da Foz celebra, esta noite, o 28º aniversário de existência, com um jantar no Casino da Figueira.

Fundada em 1976, a Casa do Pessoal conta com mais de 600 associados, entre profissionais no activo ou reformados e tem desenvolvido, ao longo dos anos, iniciativas de carácter desportivo e cultural.

Instalados na antiga Casa da Mãe, a Casa do Pessoal reclama uma nova sede com "mais dignidade".
Celso Morais, o presidente desta associação, disse, à Maiorca FM, que a actual sede está “muito degradada”.

"Estamos naquele local há 28 anos e neste momento não sabemos a quem, afinal, pertence o imóvel, para podermos falar e negociar o espaço para uma sede com mais dignidade" disse, à Maiorca FM, Celso Morais.

Convidado a traçar um balanço do ano que passou, Celso Morais considerou que foi “muito positivo” com a realização de diversas actividades de cariz lúdico, desportivo e cultural.

Esta noite, às 20h00, no jantar comemorativo de aniversário vai ser instituído um novo prémio, ao qual foi dado o nome do primeiro director clinico do hospital figueirense, Joaquim Lopes Feteira.

Autarquia coloca “ruído na ordem”


Ruído na Figueira da Foz
aumenta no verão

A Câmara Municipal da Figueira da Foz já assinou o protocolo de colaboração com a Universidade Internacional da Figueira da Foz (UIFF) para a medição de ruído em locais públicos.

A autarquia figueirense dá assim o pontapé de saída para a implementação no município do Regulamento Geral do Ruído, obedecendo a uma imposição da Comunidade Europeia que obriga os municípios “a regulamentar os níveis de ruído, bem como a promover as medidas de carácter administrativo e técnico para efectuar o controlo do mesmo”.

A primeira acção do Centro de Estudos de Higiene e Segurança da UIFF será de fiscalização “efectuando uma mediação do ruído” em caso de alguma queixa dos cidadãos. Para além do apoio material que será prestado, a Internacional avança também com o apoio humano, já que existem, na Universidade da Figueira, dois técnicos com formação.

E numa cidade como a Figueira, onde o turismo continua a ser uma das grandes “industrias”, o estudo terá a difícil tarefa de conjugar o descanso e o divertimento. “É uma cidade de picos, uma vez que vive muito do turismo, especialmente no verão, mas, considero, que não tem muita desordem sonora” disse, ao JN, Carla Murta da Administração da UIFF que sustentou ainda que “o país tem, a este nível, uma das mais avançadas legislações do mundo, mas quanto à aplicação da mesma há um atraso de cinco anos”.

Para a implementação do regulamento geral do ruído há aspectos essenciais que competem à autarquia como, entre outros, elaborar relatórios bienalmente sobre o estado do ambiente acústico municipal, que deverão ser apresentados à Assembleia Municipal; promover a elaboração de mapas de ruído por forma a enquadrar a preparação dos instrumentos de ordenamento do território e elaborar planos de redução de ruído sempre que em zonas sensíveis ou mistas existentes a exposição ao ruído ultrapasse os valores permitidos.

Rádios "dão" as mãos ao Caras


Edificio-sede do Caras Direitas

As duas rádios do concelho da Figueira da Foz vão realizar um espectáculo para erguer das cinzas o palco do Grupo Caras Direitas, de Buarcos.

Num acção inédita, a Maiorca FM e a Rádio Clube Foz do Mondego vão, em parceira com o Caras, realizar um espectáculo nos próximos dias 31 de Janeiro e 01 de Fevereiro afim de angariar verbas para a reconstrução do palco que, no passado dia 18 de Dezembro, foi dizimado por um incêndio, causando prejuízos na ordem dos 350 mil euros.

O espectáculo contará com diversos artistas de renome nacional que se solidarizaram com a colectividade figueirense, fundada em 1907. Simone de Oliveira, Rodrigo, José Cid, Anita Guerreiro, entre outros já confirmaram a sua presença.

António Cardoso, director da Radio Clube Foz do Mondego, disse à Maiorca FM que a iniciativa pretende “ajudar a devolver ao Caras a possibilidade da colectividade continuar a dar o contributo à comunidade nas áreas o teatro e do cinema”. "É uma atitude bonita das duas rádios e, no fundo, é para isso que cá estamos: para ajudar" disse o dirigente.

Fernando Rodrigues, director da Maiorca FM, justifica a realização da iniciativa "pelo passado do Caras". "Queremos devolver um palco à Figueira da Foz e por vezes é tão esquecido pelo poder instituído" afirmou Fernando Rodrigues.

Entretanto está aberta uma conta de solidariedade para com o Caras Direitas no BCP – Nova Rede, em Buarcos.

segunda-feira, janeiro 26, 2004

Pesca do Meixão “devia ser criminalizada”


Redes de pesca mosquiteiras a serem recolhidas
foto in Correio da Manha

O Comandante da Brigada Fiscal (BF) da Figueira da Foz defende que a pesca do Meixão (enguia bebé) devia passar a ser considerada “um crime”. Pela lei vigente a pesca, ilegal, deste peixe migratório dá direito a uma contra-ordenação o que “uma pena manifestamente leve”.

“É uma prática que delapida um património de todos e quem faz a captura está a matar um recurso e a comprometer o futuro dos rios portugueses” disse Vítor Rodrigues da BF.

Para o militar, a coima a que o prevaricador fica sujeito “é ridícula”. “Qualquer que seja a coima a aplicar será sempre ridícula, analisando os lucros que aquele tipo de pesca dá aos infractores” frisou o Comandante Rodrigues que defende uma “mão judicial mais pesada” para estes casos.

Um quilograma de Meixão pode atingir os 300 euros, sendo que, a maior parte, é comercializado para Espanha.

As declarações do militar surgem após uma “operação” da BF figueirense onde foram dois quilogramas de Meixão e apreendidas 11 artes (redes de pesca mosquiteiras), um número que pode ser “insignificante” já perto da foz do Rio Mondego, na Figueira da Foz.

No âmbito da acção, efectuada este fim-de-semana, um indivíduo foi detido acabando por sair em liberdade após o pagamento de coima.

Ginásio vence Aveiro Basket


Orlando Simões

O Ginásio Clube Figueirense regressou às vitórias, este fim-de-semana, ao vencer o Aveiro Basket por 77-69, no pavilhão Galamba Marques, na Figueira da Foz.

Em partida referente à 18ª jornada da Liga Profissional de Basquetebol, os pupilos de Orlando Simões souberam ultrapassar o momento difícil em que se encontra a equipa, afectada com as lesões, e venceram perante um Aveiro Basket “intranquilo”. "Foi uma partida equilibrada e complicado para o Ginásio que superou a elevada estatura da equipa do Aveiro Basket" disse Orlando simões que considerou "justa" a vitória ginasista.

José Costa, Rodrigo Mascarenhas e Dainius Staugaitis continuam lesionados. O técnico ginasista lança as mãos à cabeça e espera que não aconteçam mais lesões. "Senão não tenho jogadores para jogar" desabafou o técnico.

Com a vitória, deste sábado, o Clube Figueirense soma 50% de eficácia. Em 18 jogos o Ginásio tem 9 vitórias e 9 derrotas.

Naval(e) perder assim!


Naval impotente frente ao Estoril
foto in O Figueirense

A Naval 1º de Maio perdeu, ontem, por 4-0, na sua deslocação ao Estádio António Coimbra da Mota, terreno do líder da Liga de Honra Estoril.

Num jogo referente à 19ª jornada da Liga, cerca de 2500 espectadores assistiram a um jogo tecnicamente pobre, onde o Estoril sem rubricar uma grande exibição mostrou mais capacidade concretizadora e sem dificuldades bateu os navalistas que foram impotentes para travar a equipa do sul.

Dorival aos 21´e aos 37´, Carlitos aos 48´e Horvath aos 60´(de grande penalidade), foram os marcadores de serviço num jogo onde o navalista Rui Duarte foi expulso por acumulação de cartões amarelos.

No final do encontro, o técnico do Estoril, Ulisses Morais, que já passou pela Naval, considerou a vitória “justa e categórica”, numa partida onde ambas as equipas fizeram por vencer.

Por seu lado, o treinador da Naval, Tony Oliveira sustentou que o resultado foi demasiado “pesado” para a Naval por aqui que ambas as equipas fizeram em campo. “A defesa navalista esteve vulnerável, especialmente nos lances de bola parada mas também o sector ofensivo está mutilado e coxo” disse, aos jornalistas, Tony Oliveira.

O técnico continua a reclamar mais jogadores para o sector ofensivo, um problema que esta semana deverá ficar resolvido.

Com a derrota de ontem, a Naval desceu ao quarto posto da Liga com 32 pontos, os mesmo que o terceiro classificado, o Vitória de Setúbal.
O Varzim mantém o segundo posto, com 39 pontos. O líder Estoril soma agora 41 pontos.

Na próxima jornada os navalistas recebem o Felgueiras.

Morreu Miklos Fehér



Morreu o futebolista húngaro do Benfica Miklos Feher, aparentemente de ataque cardíaco. O jogador caiu inanimado nos instantes finais do encontro, entre o Vitória de Guimarães e o Benfica, sendo transportado mais tarde para o Hospital Senhora da Oliveira, de Guimarães, onde foi confirmada uma paragem cárdio-respiratória.

Miklos Feher, de 24 anos, ingressou no futebol português na temporada de 98/99 para representar o FC Porto, numa altura em que era uma estrela emergente do apagado futebol húngaro. Clubes como o Arsenal (Inglaterra) e Shalke 04 (Alemanha) disputavam-no.

Enquanto jogador do FC Porto, Feher jogou por empréstimo no Salgueiros e no Sporting Braga, acabando depois por sair em litígio do FC Porto para o Benfica.
Mas, foi em Braga que mais alegrias deu e recebeu. Na época de 2000/01, marcou 14 golos.

Depois, entrou em litígio com o FC Porto, acabando por se transferir para o rival Benfica no Verão de 2002.

Ao serviço de Camacho, alternou a titularidade com o banco dos suplentes.
Banco de que saltou aos 60 minutos de jogo de ontem para ajudar à vitória sobre o Guimarães. Já nos descontos, uma paragem cardíaca roubou-lhe a vida.

Nota:

Embora não seja uma noticia relacionada com a Figueira da Foz, penso que esta notícia deve servir de reflexão para o mundo do futebol. Sou um benfiquista assumido e é com muita tristeza e revolta que encaro a morte de Feher. O futebol português está de luto.

sábado, janeiro 24, 2004

BTT Downhill "invade" Serra da Boa Viagem



A Serra da Boa Viagem na Figueira da Foz, recebe, este fim-de-semana, o “1º Estágio Nacional de BTT – Downhill”. A prova é coordenada pelo tricampeão da modalidade, o figueirense José Sousa e trará à cidade da praia da Claridade cerca de vinte dos melhores “downhillers” portugueses.

Em declarações à Maiorca FM, José Sousa vê com agrado que o BTT "deixou de ser um desporto marginalizado" em Portugal. "As pessoas já encaram a modalidade de forma diferente. Já não é o desporto de meia duzia de rapazes radicais cheios de lama" afirmou Sousa.

A modalidade é encarada como um desporto, estando a um passo de ser considerada uma modalidade olímpica e a Figueira da Foz oferece “excelentes” condições para a pratica desta modalidade. "Temos uma serra com optimas condições com um cenário maravilhoso com o mar e a cidade de fundo" referiu José Sousa.

O atleta defende a criação de um “circuito fixo” de downhill na Figueira. "Acho que é uma grande ideia que iria trazer muitas pessoas novas à cidade. Era bom que a Câmara proporcionasse condições para a construção desse percurso na serra" disse José Sousa, um figueirense, tricampeão nacional da modalidade de BTT Downhill.

ASPL entregou "Cartuchos da desilusão"


Associação Sindical_ASPL
foto in O Figueirense

A greve nacional da Função Pública, esta sexta-feira, foi aproveitada pela Associação sindical de Professores Licenciados (ASPL) – Coimbra Oeste, para entregarem ao Governo, ainda que de modo simbólico, os “cartuchos da desilusão”.

O sindicato contesta a atitude “discriminatória” do Governo para com a classe docente. A ASPL acusa a classe política de “ter dois pesos e duas medidas”, por esta não se incluir no esforço de contenção levado em geral da nação.

A estrutura sindical aponta as diferenças entre um político e um professor. "Ser for político: terá um alvará vitalício para aposentação precose, terá salários elevados sempre actualizados e outras regalias adicionais, e hoje [23-jan] não deixou de trabalhar!! Perdão, ganhar!" refere a estrutura sindical.

A ASPL sustenta que "Como você é professor: tem passaporte vitalício para aposentação tardia, terá um salário reduzido e não actualizado há dois anos. A sua regalia é a contenção. A 23 de Janeiro teve que perder um dia do seu salário só para poder lutar!".

Por estes motivos, a ASPL entregou o “Cartucho da Desilusão”. "Devolvemos assim ao governo uma factura de Negociações vazias e com um balança desequilibrada contra o ensino português” refre a estrutura sindical.

Mas a luta "não é só contra o Governo". Nenhuma força política escapa às criticas da ASPL. "Ainda não vi nenhum representante de qualquer quadrante político a pedir contenção para a sua clasee [política]" referiu Maria Reina, da ASPL.

Peixes morrem sem oxigénio



A falta de oxigénio matou peixes centenas de peixes, esta sexta-feira, no canal de Lares, que abastece o concelho da Figueira da Foz.

Uma intervenção de limpeza do canal, realizada pelo Instituto Nacional da Água (INAG), obrigou a um corte de água que resultou que centenas de peixes ficam com falta de oxigénio tendo morrido.

Segundo Lídio Lopes, delegado municipal de Protecção Civil “os peixes concentraram-se num pequeno sifão do canal em busca de oxigénio”. “A intervenção do INAG foi de urgência , depois de uma rotura no canal” explicou Lídio Lopes.

Contudo, a rápida intervenção das autoridades evitou “um desastre maior”. “A limpeza do canal é regular, por isso, de quando a quando os danos colaterais provocam sempre a morte a alguns peixes” referiu Lídio Lopes.

No local estiveram elementos da Protecção Civil da Figueira, dos Bombeiros, do INAG e da Direcção Regional do Ambiente e Ordenamento do Território.

sexta-feira, janeiro 23, 2004

Função Pública em greve


Trabalhadores aderem à greve nacional

Os trabalhadores da Função Pública estão, hoje, em greve nacional, em protesto contra a política do Governo, com a paralisação a afectar o funcionamento de escolas, hospitais, serviços de recolha de lixo e repartições públicas, entre outros serviços.

Sindicatos e trabalhadores contestam a alteração do estatuto de aposentação, a forma como está a ser feita a Reforma da Administração Pública e a degradação dos salários reais.

"Somos obrigados de novo a recorrer à greve devido às provocações desferidas pelo Governo contra os trabalhadores" disse, à Maiorca FM, Marly Antunes do Sindicato de Trabalhadores da Função Pública do Centro.

Marly Antunes deixa um recado ao primeiro-ministro Durão Barroso. "Espera que Durão Barroso não tenha uma posição autista como, em tempos, o ex- primeiro-ministro Cavaco Silva que dizia que não tinha visto a greve geral. Espero que Barroso esteja de olhos bem abertos e de ouvidos bem atentos porque de facto este protesto é significativo e merece da parte do Governo uma reflexão" sustentou Marly Antunes.

Quando se fala em greve, normalmente, Sindicatos e Governo não se entendem nos números da adesão. Marly Antunes referiu que esse desfasamento se deve às manobras “propositadas de desvalorização” utilizadas pelo Governo.

Brigada Fiscal com saldo positivo em ano de cortes orçamentais



A Brigada Fiscal (BF) da Figueira da Foz reclama mais meios financeiros para fazer face às despesas que aumentaram com chegada da Lancha de Vigilância e Intercepção (LVI) que opera na Figueira da Foz desde o último trimestre de 2003.
A utilização da lancha custa 110 euros/hora, uma verba destinada ao pagamento do combustível, à manutenção, ao pessoal operacional e a amortização da própria lancha.

Apesar da ajuda do Governo para minimizar os encargos, a Brigada Fiscal não estava preparada para “este encargo suplementar”. “Numa altura de redução de cursos financeiros, o aparecimento da lancha representa um encargo suplementar significativo” referiu Jorge Caseiro, do Destacamento Marítimo da BF figueirense.

Os recursos “são escassos” e as necessidades “grandes”. “É evidente que precisamos de mais apoios” disse o militar. Jorge Caseiro salientou que a falta de recursos “não dá muita liberdade para fazer todas as acções que gostaria”, mas ressalvou que “não foi imposta, pelo Governo, qualquer limitação ao uso da lancha”, sendo apenas pedida a “gerência mais eficiente dos meios”.

Para além da falta de meios financeiros, também o assoreamento do Rio Mondego “preocupa” os homens do Destacamento Marítimo da Figueira da Foz. Enquanto a Marina, onde está atracada a lancha LVI, não for desassoreada “não há hipótese sequer de pensar na vinda da segunda LVI para a Figueira”.

“A Marina não tem condições de atracação para as lanchas, pelo que é necessário o rápido desassoreamento daquela área” sustentou Jorge Caseiro.

As declarações do militar foram feitas durante a apresentação do “balanço” de 2003 do Destacamento Fiscal da Figueira da Foz.
O ano passado foi “tranquilo” com os crimes detectados a baixaram 29%, face a 2002, mas o valor do material apreendido a aumentar em 88%. “Num ano de cortes orçamentais este é um balanço que me deixa tranquilo” afirmou Vítor Rodrigues, Comandante do Destacamento Fiscal da BF.

O Destacamento Fiscal da Figueira, o maior do país, tem 112 quilómetros de costa sob sua alçada, mas a zona centro do país continua a não dar grandes dores de cabeça aos militares. “A zona centro do país é uma área tranquila muito por culpa da presença dissuadora dos nossos agentes” frisou Vítor Rodrigues.

Para este ano de 2004, a Brigada Fiscal tem objectivos que prevêem a instalação do sub-destacamento fiscal da Praia da Vieira, reforçar a actividade operacional e continuar a melhoria das estruturas físicas da força militar.

Aluna da Universidade Sénior lança novo livro


Fernanda Fernandes Figueiredo
foto tratada by figueira.net

“Antes que a noite caia” é o novo livro de Fernanda Fernandes Figueiredo, uma figueirense, aluna da Universidade Sénior da Figueira da Foz.
Esta edição surge depois de “Ao sabor de Ventos e Marés” e fala das memórias de infância, dos tempos passados no Luxemburgo, bem como contos e costumes de Angola.

"Vim de Angola em 1961, já depois dos massacres do norte, e descrevo alguns neste livro. Histórias que eu ouvi e certos dados foram vividos por mim" contou a escritora.

Um livro divido em três capítulos onde a autora escreve recordações reais e de experiências relatas por outras" mas, as histórias que integram “Antes que a noite caia”, existe uma que a escritora recorda com tristeza.

"A destruição da casa onde fui criada na Figueira. Ao contar essa história relembrei toda a minha infância" disse Fernanda Figueiredo.

Entretanto, 2004 pode ainda trazer outro livro à escritora Fernanda Fernandes Figueiredo que, para além da escrita, se dedica ainda à pintura e artes decorativas.

PJ deteve sequestradores

A Polícia Judiciária, através da Directoria de Coimbra, identificou e deteve, ontem, três indivíduos, com idades compreendidas entre os 21 e os 29 anos de idade, por terem sido reunidos fortes indícios de serem os autores dos crimes de sequestro, roubo e ofensas à integridade física, de que foi vítima, no passado dia 10 deste mês, um cidadão de nacionalidade alemã que passa férias em Portugal.

Os suspeitos, dois residentes em Coimbra, outro no Norte do país, tinham antecedentes criminais e um deles já foi condenado pela prática de crime semelhante. Presentes a primeiro interrogatório judicial, foi-lhes aplicada a medida de coacção de prisão preventiva.

Univerisidade Internacional dá "Primeiro Passo" ao voluntariado



A Universidade Internacional da Figueira da Foz (UIFF) vai lançar, em Março, um gabinete de voluntariado que pretende dar apoio a cidadãos carenciados do concelho figueirense. “Primeiro Passo” é o novo serviço da UIFF que, essencialmente, vai prestar apoio e aconselhamento ao nível psicológico, jurídico e mas também financeiro.

“Este serviço será realizado no sentido de ajudar aqueles que pelas mais diversas razões prestar indicações se refugiam em casa sem encontrar solução para os seus problemas” disse, ao JN, Eduardo Santos, secretário geral da UIFF.

A ideia surgiu da necessidade de “colmatar uma falha das entidades institucionais” e de ajudar a combater a “pobreza envergonhada”. “Há muita pobreza escondida e como a resposta institucional não é suficiente decidimos apoiar a comunidade onde nos inserimos” frisou Eduardo Santos.

O “modus operandi” do gabinete é simples. Aos casos que aparecerem será feita uma triagem e, posteriormente, o respectivo reencaminhamento para as entidades competentes”.
“Se aqui chegar alguém com uma dúvida sobre algo relacionado com a Segurança Social, indicamos o melhor procedimento a ter e indicamos onde a pessoa se deve dirigir para solucionar a questão” explicou Eduardo Santos.

Para secretário geral da UIFF “não há nenhum tipo de concorrência desleal com a prestação deste serviço”, uma vez que o serviço prestado é gratuito e “é apenas uma indicação, uma orientação”.
“Não nos vamos tornar constituintes de ninguém, antes conselheiros” frisou Santos revelando que ao projecto já aderiram onze professores do estabelecimento de ensino.

Hospital Distrital aumenta produção


Hospital Distrital da Figueira da Foz
foto in figueira.net

O Hospital Distrital da Figueira da Foz (HDFF) SA registou, no último ano, um aumento da produção devido à diminuição dos encargos com os recursos humanos da unidade hospitalar.
Os dados foram revelados por Fernando Andrade, presidente da Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro, ontem, durante uma visita ao HDFF, uma das 31 unidades hospitalares transformadas em sociedade anónima.

O hospital figueirense durante o ano de 2003 registou acréscimos na taxa de ocupação (9,4%), nas altas médicas (14,5%), na média de dias de internamento (9,4%) e uma diminuição na demora média de internamento (4,5%) e nos recursos humanos (3,9%). “É um balanço positivo de um ano de hospital SA" disse, ao JN, Fernando Andrade.

A visita do presidente da ARS Centro, ontem, ao HDFF serviu para conhecer algumas preocupações da administração da unidade hospitalar.

No final da reunião, Fernando Andrade mostrou-se “preocupado” com os problemas nas estruturas físicas do hospital. “Há problemas estruturais em termos de infra-estruturas de obras e conservação” disse Andrade que revelou que “a ARS Centro vai, ainda este trimestre, avançar com um levantamento das prioridades estruturais no hospital”.

Recentemente, os ordenados dos administradores dos hospitais empresa subiram desde que estas unidades de saúde foram transformadas em sociedades anónimas, um aumento que se situa entre os 655 e os 1.480 euros mensais.

Com a "empresarialização" destes hospitais, os administradores hospitalares passaram a receber em função do grupo-tipo e nível atribuído a cada um dos Hospitais SA.

Este aumento recebeu duras críticas da oposição governamental. Fernando Andrade fala numa “falsa especulação”. "Das duas uma: ou queremos pessoas capazes, com nível, com capacidade profissional de estar à frente de grandes empresas que são hoje os hospitais, e para isso é preciso terem um vencimento minimamente aceitável para essa função. ou então, vamos buscar pessoas sem formação, sem qualificação para esses hospitais" disse, à Maiorca FM, Fernando Andrade, presidente da ARS Centro, que não vê "nenhum problema" nos aumentos propostos pelo ministério da Saúde aos administradores dos hospitais empresa.

"Não admito que brinquem com a minha honra", contestou Rui Carvalheiro


Reunião do executivo
foto in O Figueirense

Na última reunião do executivo municipal, o vereador do Partido Socialista (PS), Rui Carvalheiro mostrou-se “ferido” na sua sensibilidade com algumas declarações proferidas recentemente por Paulo Pereira Coelho, ex - vice-presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz e actual líder da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro.

As declarações do social-democrata foram proferidas na tomada de posse da nova concelhia do PSD da Figueira e estão relacionadas com o “caso das incumbências” em que o presidente Duarte Silva delegou competências nas Obras Municipais em Lídio Lopes, chefe de gabinete da presidência e em José Elísio, assessor na autarquia e líder do PSD local.

Na altura os vereadores do PS ponderaram o pedido de demissão caso Duarte Silva não alterasse as incumbências. Duarte silva não as alterou, por isso, Pereira Coelho pediu aos vereadores do PS que se demitissem, cumprindo o que haviam dito, ou então “não seriam pessoas de honra”.

As palavras não foram bem aceites por Rui Carvalheiro. "Não admito que brinquem com a minha honra" disse Carvalheiro, visivelmente irritado.

para o socialista, o caso piora de figura "quando os insultos foram proferidos por quem ocupa o alto cargo da administração nacional". "Sinto-me com a minha dignidade ferida" referiu Rui Carvalheiro sustentado ser lamentável que "alguém com cargos na administração nacional, faz arruaça política não respeitando os cidadãos".

O presidente Duarte Silva alegou que essas questões "são do foro político partidário" e aí deveriam ser tratadas. No entanto, Rui Carvalheiro admite só ter levado o assunto à reunião de Câmara pelo facto do edil figueirense aparecer na foto, na sessão em que foram proferidas as declarações.

Recentemente Duarte Silva, em sessão do executivo, revelou-se "indignado" com algumas declarações do líder da concelhia do PS, Vítor Cunha, tendo chamado à atenção os vereadores socialistas por estes estarem na foto que testemunhou o momento e o terem "apoiado" nas declarações que Duarte Silva viria a considerar falsas.

quinta-feira, janeiro 22, 2004

Radar "trava" automobilistas


Lídio Lopes - delegado municipal de Protecção civil
foto in figueiradigital.com

A ponte Edgar Cardoso na Figueira da Foz vai passar a ter controlo de velocidade com um radar da Polícia de Segurança Pública, uma medida que será posta em prática apenas no período em que decorrem os trabalhos de reabilitação na ponte figueirense.

Esta medida surge depois de se terem registado alguns acidentes na ponte devido ao não cumprimento dos condutores à sinalização de segurança no local.

O delegado do serviço Municipal de Protecção Civil da Figueira, Lídio Lopes disse, à Maiorca FM, que estas medidas “mais apertadas” seriam "desnecessárias se os automobilistas adoptassem comportamentos mais correctos enquanto circulam nas estradas".

Recentemente, A Câmara Municipal da Figueira da Foz e o Instituto de Estradas de Portugal (IEP) concordaram “aumentar as medidas de disciplina e alerta em relação ao fluxo de trânsito” na ponte Edgar Cardoso.

Bandas sonoras, um sistema de informação de peões, a optimização de um corredor de segurança para as ambulâncias e a abertura, se necessário, de mais um acesso no separador central da ponte. "Para já, as medidas tem resultado de forma positiva" disse Lídio Lopes.

Contudo, aos automobilistas continua a ser recomendada muita precaução na ponte Edgar Cardoso e nos seus acessos e, claro, também um pouco de paciência.

Cãmara Municipal dá apoio nas refeições para alunos carenciados


Teresa Machado
foto in figueiradigital.com

A Câmara Municipal da Figueira da Foz vai apoiar as refeições dos alunos mais carenciados do primeiro ciclo.
Esse apoio poderá ser colocado em prática dentro de um ou dois meses e será o cumprimento de uma promessa eleitoral do executivo liderado pelo social-democrata Duarte Silva.

Contudo há um problema que a autarquia terá que solucionar devido ao encerramento das cantinas escolares e alguns estabelecimentos “não terem condições para albergar mais alunos para as refeições”.

A solução passa, segundo a vereadora da Educação Teresa Machado, pela requisição dos serviços de instituições de solidariedade social (IPSS) para assegurar o serviço de distribuição de refeições, existindo neste momento uma verba no orçamento da Câmara destinada para esse efeito.

Teresa Machado frisou ainda que as IPSS´s contratadas "terão que obedecer aos critérios impostos num caderno de encargos estabelecidos pela autarquia com o apoio de uma nutricionista". "Não queremos que voltem a ser registados problemas ao nível da qualidade dos alimentos servidos nas escolas aos alunos" frisou a autarca.

A Câmara Municipal comprometeu-se a transferir verbas para as juntas de freguesia que depois efectuarão os pagamentos às instituições fornecedoras das refeições.

Fernando Andrade visita Hospital Distrital



O presidente da Administração Regional de Saúde do Centro (ARS Centro) esteve, esta manhã, de visita ao Hospital Distrital da Figueira da Foz (HDFF) SA. Fernando Andrade visitou as instalações do Hospital, e posteriormente teve reuniões com o Conselho de Administração e com os Directores de Serviço da unidade hospitalar.

Em declarações esta manha, à Maiorca FM, Fernando Andrade sustentou que esta deslocação ao hospital figueirense se enquadra numa rotina de visitas afim de se conhecerem os problemas e as necessidades das unidades de saúde.

O presidente da ARS Centro pediu empenhamento e dedicação em prol de melhores prestações de serviços ao utente. "Peço empenhamento aos hospitais SA para uma melhor prestação de cuidados à população, serviços mais humanizados e em tempo útil” disse Andrade.

O presidente da ARS Centro considerou que, no geral, os hospitais SA "tem atingido os objectivos traçados" e que levaram à sua transformação em sociedades anónimas.

Naval - Braga reeditam Taça



A Naval 1º de Maio vai receber, a 11 de Fevereiro, o Sporting de Braga nos quartos-de-final da Taça de Portugal. O sorteio realizado em Lisboa ditou, pelo segundo ano consecutivo, a deslocação do Braga ao terreno na Naval em mais uma eliminatória da Taça.

O treinador Tony vai defrontar a sua anterior equipa. O técnico sabe das dificuldades e quer contrariar o favoritismo do Braga. “Temos esperança e queremos contrariar o favoritismo do Braga" afirmou tony sustentando que "é legítimo que a Naval lute por um excelente resultado”.

O técnico navalista continua a queixar-se da falta de reforços, especialmente do sector ofensivo. Tony sustentou, à Maiorca FM, que a equipa "não quer procurar reforços no mercado estrangeiro", contudo, salienta as “dificuldades” em conseguir jogadores no mercado nacional.

Com o mercado nacional “muito difícil” as soluções para o ataque navalista podem surgir do estrangeiro. A Maiorca FM apurou junto de fonte ligada ao clube que, em breve, poderão chegar à Figueira da Foz dois reforços provenientes do Brasil.
Entretanto, a Naval prepara já a partida do próximo domingo frente ao líder da Liga de Honra, o Estoril.

quarta-feira, janeiro 21, 2004

PS pede “coerência” a Santana Lopes


Rui Carvalheiro e Santana Lopes

O vereador do PS na Câmara Municipal da Figueira da Foz, Rui Carvalheiro acusou o ex-presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz, Pedro Santana Lopes, de “falta de coerência” ao ter assumido, ontem, a presidência da “Associação de Amigos do Centros de Artes e Espectáculos (CAE) - Pedro Santana Lopes (AACAEPSL)”.

A associação foi criada, no passado mês de Outubro, com o objectivo de promover iniciativas ligadas às artes e ao espectáculos no CAE e apoiar a actividade cultural do concelho. Outra das finalidades da Associação é propor à Câmara projectos e planos de actividades, fomentar o mecenato e outras formas de angariar donativos e subsídios para as actividades do CAE e servir de intermediário entre a Figueira e outros municípios para o sector cultural.

Contudo, a toma de posse de Santana Lopes À frente da AACAEPSL fica marcada pela polémica entre PS e o PSD, com os socialistas “indignados” com a atribuição da presidência da Associação ao “pai” do CAE. “Neste momento (Santana Lopes) não está a ser coerente porque, ao solicitar que o seu nome não aparecesse aquando rebaptismo do CAE, está neste momento a fazer aparecer o seu nome na associação do CAE” disse, ao JN, Rui Carvalheiro.

O socialista refere ainda que a obra se deve “à opção de utilização dos dinheiros públicos”. “Nessa opção de utilização do erário público eu desafiava, por exemplo, Santana Lopes a fazer a apresentação do seu livro no Oásis. Ou não tem no Oásis o mesmo orgulho que tem no CAE” questionou Rui Carvalheiro.

Pedro Santana Lopes não quis tecer grandes comentários às acusações socialistas. “Normalmente dou rosas e outras flores mesmo a quem me faz acusações. Tenho este lado bom” ironizou o social-democrata que deixou uma promessa.

"Faço uma jura de arranjar tempo para trabalhar por este projecto de sonho. Dizem que sou homem de paixões várias, não me importo, esta é uma das paixões da minha vida", concluiu.

PS "vê mais árvores do que frutos", acusa Santana Lopes


Santana Lopes

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Pedro Santana Lopes, ontem presente na Figueira da Foz, ainda que de forma indirecta, alguns recados à oposição socialista quanto à questão do túnel do Marquês, em Lisboa.

“As pessoas vem mais as árvores do que os frutos” disse Santana Lopes na tomada de posse da AACAEPSL, órgão para o qual foi eleito com 59 votos a favor, 2 brancos e 1 contra.

Aos jornalistas, Santana Lopes defendeu que “em torno das obras mais importantes, as que tem mais custo e exigem mais esforço, deve haver uma tolerância especial no sentido de solidariedade, também especial, independentemente das diferenças políticas”. “Acho que isso fica bem a qualquer força política” concluiu Santana Lopes.

“Foi possível na Figueira. Oxalá fosse assim no resto do país” prosseguiu o autarca salientando que “as forças políticas desta terra unirem-se em torno deste projecto (CAE) e trabalharam numa base de entendimento”.

Lojistas regressam à Câmara para pedir ajuda

Os lojistas do centro comercial “O Trabalho”, localizado na zona nobre da Figueira da Foz, voltaram a marcar presença numa reunião camarária. Os comerciantes queixam-se das condições “degradantes” em que se encontra o edifício, com maus cheiros, sem iluminação e com problemas de salubridade, especialmente nesta altura do inverno.

O advogado de “alguns” comerciantes, André Fernandes pediu ao presidente da Câmara Municipal, o social-democrata Duarte Silva, para que “insista” e “pressione” os proprietários do edifício [Companhia de Seguros Açoreana] afim de “saber que futuro está reservado” ao edifício, aberto desde 1991.

“A Câmara manifestou algumas intenções mas, até agora, não há respostas. Queremos saber se há algo de novo e o que é que a autarquia tenciona fazer” afirmou André Fernandes.

Duarte Silva lembrou que a autarquia “não é a proprietária do edifício” mas mostrou-se preocupado com a situação do imóvel. “A Câmara, no âmbito do Plano de Pormenor do Bairro Novo, está a tentar introduzir a recuperação ou remodelação do edifício, para de uma vez por todas se encontrar uma solução” sustentou o autarca.

Para aumentar a ânsia dos comerciantes estão as “reservas” dos donos do edifício. “Existe um projecto que nunca foi apresentado porque existem muitas reservas dos proprietários sobre o sucesso comercial e de viabilidade do edifício tal como ele é, e sendo só reabilitado” afirmou Duarte Silva.

Descontentamento

Aberto desde 1991, o Centro Comercial “O Trabalho” é composto por 44 escritórios e 44 habitações – que nunca chegaram a ser ocupadas - e por 36 espaços comerciais, a maior parte actualmente desocupada.
O problema começou em 2002 quando a Açoreana, do Grupo Banif, adquiriu o imóvel à, entretanto falida, Seguradora Trabalho. Desde então que os comerciantes se dizem “esquecidos” pelos novos donos do edifício.

O estado de degradação “aumenta de dia para dia” e os comerciantes continuam preocupados. “O estado em que está o prédio está a dar um mau crédito à Figueira. É uma vergonha para a cidade e para os turistas que a visitam” frisou Maria de Lurdes Silva, porta-voz dos comerciantes.

Os comerciantes criticam ainda a posição dos proprietários do imóvel. “Mostram um autêntico desprezo por aquilo [edifício] e estão a vencer-nos pelo cansaço, porque não temos condições para trabalhar e os comerciantes estão a abandonar o local”.

terça-feira, janeiro 20, 2004

Seis mil visitas em três meses



O InfoFigueira é um blog que, como muitos outros, surgiu no "Boom" bloguista em Portugal. Contudo, o InfoFigueira não adoptou caminhos críticos, pretendendo somente informar sobre o que se passa na Figueira da Foz.
Por isso, é com muito agrado que vejo o blog atingir as seis mil visitas, em apenas três meses e pouco.
Agradeço a todos aqueles que tem acreditado neste projecto pessoal e com o seu "clique" nos contemplam todos os dias.
Espero que me continuem a acompanhar nesta viagem pela informação na Figueira da Foz.

Santana lança livro na Figueira



O pequeno auditório do Centro de Artes e Espectáculos da Figueira da Foz é, hoje, palco para a tomada de posse dos corpos sociais da “Associação - Os amigos do CAE Pedro Santana Lopes”.

Na cerimónia que está marcada para o final da tarde, às 18h00, o ex-presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz, Pedro Santana Lopes tomará posse como presidente da Direcção da Associação, sendo acompanhado por Artur Santos Silva, na presidência da Assembleia Geral e Álvaro Barreto, na presidência do Conselho Fiscal.

Posteriormente, às 19h00, terá lugar uma sessão de autógrafos, do livro “Causas da Cultura”, da autoria de Santana Lopes, uma publicação que, na passada semana, foi lançada em Lisboa.

Maiorquense perde presidente


Sede da Maiorquense
foto in figueira.net

Paulo Couceiro não vai recandidatar-se à presidência da União Filarmónica Maiorquense (UFM). Há três anos à frente dos destinos da Maiorquense, Paulo Couceiro sustenta que é altura de dar novo sangue há colectividade que, recentemente, celebrou 156 anos de existência.

“Quero evitar vícios na colectividade e imprimir um novo ritmo à direcção da Maiorquense” sustentou, à Maiorca FM, Couceiro.

No dia da sessão solene de aniversário, a Maiorquense recebeu da autarquia figueirense um apoio de cerca de 2500 euros para a escola de música e para as despesas correntes.
Contudo, Paulo Couceiro deseja outra prendas.

“Estatuto de utilidade pública, a legalização da colectividade e a filiação no INATEL são esses os três presentes que desejo para a colectividade” revelou o presidente cessante, convicto que de os presentes chegarão certamente durante este ano de 2004.

A música, rancho, teatro e desporto são as actividades desenvolvidas pela colectividade onde “não falta a juventude”. “Aqui não falta juventude como em outras colectividades” afirmou Couceiro.

segunda-feira, janeiro 19, 2004

Plano Estratégico articula Figueira com municípios vizinhos



A Figueira da Foz quer, através do Plano Estratégico de Desenvolvimento do eixo Figueira/Montemor/Soure/Coimbra, articular o desenvolvimento com os municípios vizinhos.
O Plano Estratégico foi apresentado e discutido na última reunião do Conselho de Administração da ParaIndústria – Gestão de Parques S.A.

O presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz, Duarte Silva referiu que se pretende "estimular os diversos sectores económicos dos municípios afim de fazer um melhor aproveitamento das potencialidades de cada deles".

O plano pretende criar postos de trabalho, captar investidores e aumentar a competitividade das empresas da região. O Plano Estratégico prevê quatro áreas estratégicas como a Acessibilidades, Turismo, Infra-estruturas de recursos humanos e do conhecimento e a criação de condições infra-estruturais de suporte às empresas.

Duarte Silva salientou que este Plano "não se esgota apenas neste eixo Figueira/Montemor/Soure/Coimbra.
"Este plano que não vira as costas a outros concelhos como Pombal, Leiria ou Aveiro", onde são necessárias ainda algumas infra-estruturas com a A17 e o IC8.

Para que o plano estratégico seja posto em prática, Duarte Silva admite "a necessidade de se recorrer a verbas comunitárias". O plano que pretende contribuir para o desenvolvimento económico sustentado do concelho da Figueira da Foz e da Região.

SIT ultrapassa crise directiva


Vítor Medina assume presidência da SIT
foto in O Figueirense

“Não há, nem houve crise directiva na SIT”. A afirmação é do novo presidente da Sociedade Instrução Tavaredense, colectividade mais representativa de Tavarede e que, ontem, realizou a sessão solene do centenário.

"Não houve qualquer crise directiva. Isso foi uma palavra que surgiu. O que queriamos era que a direcção cessante continuasse à frente dos destinos da SIT até aos finais das festas do centenário" disse, à Maiorca FM, Vítor Medina, o novo presidente da SIT.

A presidente cessante, Rosa Paz deixa a presidência após sete anos na liderança, alegando motivos pessoais para a saída. A dirigente frisa que “não houve nenhum vazio directivo” pois a direcção que liderou manteve-se em funções até ontem, altura em que foi apresentada uma nova direcção.

“Não houve vazio, nem crise directiva na SIT” esclareceu Rosa Paz que atribuiu este mal entendido ao empolamento do assunto pela imprensa.

A sessão solene da SIT contou com a presença do Secretário de Estado adjunto da Cultura, Amaral Marques que enalteceu o papel da colectividade "para o desenvolvimento cultural da comunidade onde está inserida".
O governante que aproveitou para dar um apoio de 10 mil euros para a edição do livro do centenário.

O presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz, Duarte Silva, também presente na sessão solene comemorativa do centenário, salientou o papel "importante da colectividade no teatro a nível nacional".

Prolongamento foi fatal para o Ginásio


Frederick Gentry,
MVP no Ginásio-Seixal

O Ginásio Clube Figueirense perdeu, ontem, frente ao Seixal, por 105-108, em partida da 17ª jornada da Liga Profissional de Basquetebol. No final dos 40 minutos regulamentares o resultado esta empatado a 91 pontos, sendo por isso necessário ir a prolongamento. Nos cinco minutos suplementares, o Ginásio foi inferior a um Seixal forte e motivado.

No final, Orlando Simões estava desgastado com a derrota. O técnico do ginásio sustentou que “a derrota justifica-se pelas grandes dificuldades que tivemos em termos defensivos”. “Foi uma semana muito complicada para nós. Sem podermos contar com o Rodrigo Mascarenhas, o Dainius jogou muito condicionado, o José Costa e o Fred Gentry não treinaram nos últimos dois dias” disse Orlando Simões.

O técnico lamentou mais uma vez a falta de apoio dos adeptos figueirenses. “Mais uma vez, foi uma pena não contarmos com a ajuda do público em casa. Uma equipa que já ganhou esta época o Torneio dos Campeões, que está em sexto lugar na Liga TMN e apurada para a Taça da Liga merece outro tipo de apoio. Sinceramente sinto-me farto de lutar contra isto” afirmou, aos jornalistas, Orlando Simões.

Por outro lado, Mário silva, treinador do Seixal estava contente com a vitória. “Ambas as equipas lutaram e muito fizeram pela vitória. Qualquer uma poderia e merecia ganhar. Acabámos por ser mais felizes que o Ginásio” considerou Mário Silva.

O técnico do Seixal salientou ainda o momento financeiro que o clube atravessa. “Não há volta a dar porque o Seixal não tem dinheiro. Se o tivéssemos perdíamos um jogador e íamos buscar dois, mas não é assim. Temos de jogar com os que temos e obviamente se os meus jogadores jogarem com este empenho e esta atitude deixam-me muito satisfeito” afirmou Mário Silva.

O norte-americano Frederick Gentry, com 23 pontos e 14 ressaltos foi o MVP do encontro. No final, o jogador disse à Maiorca FM que o sector defensivo “não esteve ao melhor nível”, especialmente no último período. “Temos que trabalhar e melhorar o sector defensivo para vencer o próximo encontro” disse Frederick Gentry.

Com a derrota, o Ginásio continua na 6ª posição da Liga, com 47,06% de eficácia. Em 17 jogos os ginasistas somaram 8 vitórias e 9 derrotas. Na próxima jornada, o Ginásio joga de novo em casa e recebe o Aveiro Basket.

domingo, janeiro 18, 2004

Poste Saf(o)u Desportivo das Aves


Naval não perdia em casa há 21 meses
foto in O Figueirense

A Naval 1º de Maio perdeu, hoje, uma boa oportunidade de se aproximar dos líderes da Liga de Honra ao perder com o Desportivo das Aves, por 1-0, em jogo da 18ª jornada da Liga, disputado no estádio Bento Pessoa, na Figueira da Foz.

Num jogo tecnicamente pobre, os Avenses adiantaram-se no marcador logo ao minuto 4, com Safu a apontar o único tento da partida.

Perante cerca de mil espectadores, os navalistas voltaram a perder em casa, 21 meses depois [18-Abril-2002] da última derrota no Municipal Bento Pessoa, para o campeonato, e novamente frente ao Desportivo das Aves. Na altura o Aves ganhou por 4-2.

O momento do jogo deu-se aos 72 minutos quando, na sequência de um livre directo, Fumo mandou a bola à barra e, na recarga, com a baliza escancarada, Fajardo cabeceou enviando a bola ao poste.

Nas cabinas, opiniões diferentes. Vítor Campelos, preparador físico do Aves, considerou que a vitória do Desportivo “foi justíssima”. “Entramos bem no jogo pelo que a vitória foi justa” afirmou Campelos que, ironicamente, sustentou que “quem sabe o Aves ainda não faz uma gracinha neste campeonato”.

Vítor Campelos que em nome da equipa das Aves dedicou a vitória ao massagista Azevedo que “atravessa momentos difíceis” e à claque “Força Avense” que, ontem, celebrou o quarto aniversário de existência.

O treinador da Naval, Tony Oliveira considerou que o resultado “foi injusto por aquilo que a Naval fez na segunda parte do jogo”. “Quem falha oportunidades como falhámos não merece ganhar” sustentou o técnico da turma verde e branca da Figueira da Foz.

Tony queixou-se “da falta de soluções ofensivas da Naval”. “Não temos plantel para jogar Às quartas e aos domingos. Temos muitas lesões, o que nos cria muitas dificuldades” referiu o técnico.

As claques, hoje, estiveram mais activas com o “Colectivo Maravilhas” a destacar-se com os tradicionais tambores e boa disposição. “Squadra Verdi 03” também fizeram muito barulho e uma festa bonita com balões verdes. Quanto aos “Green Force”, a claque parece estar a perder a força inicial.

"O Príncipe com Orelhas de Burro", no CAE


foto in figueiradigital.com

Da autoria de António Manuel Couto Viana, a peça “O Príncipe com Orelhas de Burro” é-nos apresentada pela companhia Teatro do Mar, esta tarde no Centro de Artes e Espectáculos [CAE], na Figueira da Foz.

Na escuridão da noite, três misteriosas fadas entram no castelo do Rei. Uma delas, vingando-se por não ter sido convidada para a festa de baptizado do recém-nascido Príncipe, lança-lhe uma maldição fazendo-lhe crescer duas orelhas de burro.

A família real, ao deparar-se com esta situação e com receio dos seus súbditos descobrirem esta vergonha, decide cobrir o Príncipe com um turbante gigante. Para melhor ocultar este facto, o Rei decreta uma lei que determina como obrigatório o uso de turbantes em todo o reino.

Até que um dia, o barbeiro da corte descobre toda a verdade. Após várias peripécias, o Príncipe, cansado de esconder o seu verdadeiro aspecto, decide finalmente assumir, perante todos, a sua diferença.

“O Príncipe com Orelhas de Burro”
18 de Janeiro
16h30, no CAE

Ginásio condicionado pelas lesões recebe Seixal



O Ginásio Clube Figueirense recebe o Seixal, este domingo, pelas 17h00, em partida da 17ª jornada da Liga Profissional de Basquetebol, jogo de arranque da segunda volta da fase regular da Liga.

O Ginásio aguarda uma partida “com grau de dificuldade elevado”. "Vai ser uma partida dficil até pelas condicionantes que temos" afirmou Orlando Simões, treinador ginasista.

Rodrigo Mascarenhas foi operado esta semana, enquanto que o lituano Dainius Staugaitis só esta sexta-feira começou a treinar depois de recuperar uma lesão.

"Vamos ter uma equipa mais baixa a jogar contra um Seixal forte, pelo que sinto que vamos ter problemas" disse Simões que espera que Dainius Staugaitis "possa ainda dar o seu contributo à equipa neste jogo".

Naval recebe Desportivo Aves



A Naval 1º de Maio recebe o Desportivo das Aves, este domingo, pelas 16h00, no Municipal Bento Pessoa, na Figueira da Foz. O encontro, da 18ª jornada da Liga de Honra, marca o arranque da segunda volta do campeonato.

O técnico Tony Oliveira aguarda uma partida com “dificuldades acrescidas”. Solimar e Abiodum não recuperaram das lesões do jogo da Taça de Portugal frente ao Marco. "Não recuperaram do jogo de quarta-feira" revelou o técnico navalista.

Contudo, Tony Oliveira quer "ultrapassar as dificuldades" e conquistar três pontos em casa.
Fazendo um balanço “positivo” da primeira metade do campeonato, o técnico navalista lembra que “ainda há muito campeonato” pela frente. "Foi um balanço positivo acabarmos a primeira metade na terceira posição mas, ainda há muito campeonato pela frente onde todas as equipas pretenderão melhor as suas posições, uns para não descerem, outros para conquistarem a subida de divisão" lembrou o técnico.

Por isso, Tony prevê uma segunda metade do campeonato mais “competitiva”. "A segunda metade da Liga vai ser mais competitiva mas vou querer melhorar a produção da Naval" garantiu Tony Oliveira.

PS visita freguesias



O Partido Socialista (PS) da Figueira da Foz realizou, este sábado, um périplo por duas freguesias da margem sul do concelho figueirense, com o objectivo de “fazer um levantamento da situação” de casa freguesia, constatando os problemas a que elas dizem respeito.
S.Pedro e Lavos foram as freguesias contempladas nesta primeira dos socialistas.

O presidente da Comissão Política Concelhia do PS, Vítor Cunha realçou o andamento dos trabalhos no Porto de Abrigo. "Foi uma obra aprovada no governo socialista e que será importante para o uso das pequenas embarcações" referiu Cunha que frisou ainda "o desenvolvimento de S. Pedro acima da média das restantes freguesias do concelho".

A requalificação ribeirinha da margem sul do Mondego e o estado da ponte dos Arcos são preocupações para o PS. "Seria um grande incremento para todo o sul do concelho” defende Vítor Cunha.

Estas visitas socialistas servem ainda para "fazer o balanço de dois anos de mandato social-democrata" e de preparação socialistas para as autárquicas de 2005.

Casino aumenta receitas em 2003



O Casino da Figueira foi a única sala de jogo no país que, em 2003, aumentou as receitas provenientes do jogo, tendo registado um acréscimo “na ordem dos 5%” face ao ano de 2002. O casino figueirense contraria assim a tendência nacional que, em 2003, regista uma quebra de receitas na ordem dos três pontos percentuais face às contas de 2002, arrecadando cerca de 23,3 milhões de euros de receitas contra os 22 milhões obtidos em 2002.

“Num período de recessão económica, fomos o único Casino do país a registar um aumento das receitas no ano que terminou” afirmou Rui Alegre, administrador da Sociedade Figueira Praia [Grupo Amorim].

Esse aumento de receitas é, segundo Rui Alegre, fruto de uma política “de grandes investimentos em capital humano, em capital tecnológico e de uma aposta na inovação”. “Nos momentos mais difíceis soubemos inovar e vamos continuar a modernizar com o objectivo de quer sempre a melhor qualidade para o cliente” salientou o administrador da SFP.

As declarações de Rui Alegre foram feitas durante a apresentação dos novos espaços do Casino da Figueira que, ontem, abriu as portas “de cara lavada” após dez meses de obras de profundas alterações no edifício que lhe conferiu de novo um aspecto “inovador, moderno e único”.

O novo Casino da Figueira sofreu muitas alterações no seu interior, basicamente nas zonas destinadas ao usufruto do público, que passa a usufruir de um novo hall de entrada, sabores e sons de excepção no novo Restaurante – Bar e ainda uma moderna Sala de Máquinas e com a beleza clássica da nova Sala de Bancados. As novidades contemplam ainda com quatro novos espaços polivalentes para reuniões e um auditório com capacidade para 300 pessoas, todos dotados “da mais moderna tecnologia e multimédia”.

“Temos melhores instalações e um dos melhores produtos da Europa” afirmou Rui Alegre.

O investimento feito nesta segunda fase de remodelação do Casino orçou os cinco milhões de euros, valor que duplica no total das melhorias efectuadas no Casino no último ano. O administrador da Sociedade Figueira Praia justificou os investimentos realizados pela necessidade, permanente de “inovar e dar qualidade aos clientes”. “Essa é a nossa postura e vamos continuar a mante-la” frisou Rui Alegre.

Nos novos espaços o destaque recaí para a nova entrada do Casino figueirense. O novo hall de entrada não deixam ninguém indiferente com calçada portuguesa, e é aberto com luz natural, amplo, tendo sido projectado pelo arquitecto holandês, Wijnand Plasier. O objectivo foi recriar “o célebre Pátio das Galinhas” (que era o átrio antigo que desapareceu com as obras de 1972). “É fundamental e queremos que as pessoas sintam aqui as suas origens e as suas raízes” alegou Rui Alegre.

sexta-feira, janeiro 16, 2004

Duarte Silva não comenta, eventual, queixa da Tractofoz contra Estado português


Duarte Silva, foto in figueiradigital.com

O presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz não quer comentar a decisão do consórcio Tractofoz, empresa promotora do aterro de resíduos industriais banais previsto para Maiorca, na Figueira da Foz, que admite apresentar uma queixa, em Bruxelas, contra o Estado português alegando “incumprimento da lei”.
Duarte Silva fugiu às questões da Maiorca FM e aguarda uma "altura oportuna para comentar o assunto".

O consórcio Tractofoz, detido maioritariamente pela Mota e Engil, alega “o incumprimento da lei”. Campos de Almeida, administrador da Mota e Engil, revelou, à Maiorca FM, que “a Câmara Municipal não está a cumprir a lei”, admitindo avançar com uma queixa contra a Secretaria de Estado do Ambiente.

Campos Almeida diz que a Tractofoz está a ser o “bode expiatório de divergências políticas e demagógicas”, e considera de “abusiva” a posição da edilidade figueirense, embargou a bora de construção ao não renovar a licença de obra.

O administrador da Mota e Engil garante não haver “impedimentos à construção do aterro e estarem “reunidas todas as condições de segurança para que o aterro prossiga".